PAADA - EXPERIÊNCIA PARA VENCER

Com muita experiência ele provou que pode sim fazer diferença!

PAADA – EXPERIÊNCIA PARA VENCER

Com muita experiência no DotA, PAADA mostrou que no League of Legends, não é só a experiência in-game que trás bons resultados.

O que começou com algo casual, virou coisa séria e se transformou na maior equipe de eSports da América Latina. PAADA como fundador da organização e agora técnico da equipe de League of Legends, acompanhou de perto todos os momentos desse time.

Em 2015, a equipe conquistou o CBLOL, foi para o mundial e ficou com o incrível feito de trazer para casa a melhor campanha de um time brasileiro em solo internacional, além de ser muito bom para o cenário nacional, foi um ótimo acontecimento na história da equipe. Já no split seguinte, em 2016 após algumas mudanças, a paiN não conseguiu repetir a história e amargou a Série de Promoção. Nos próximos dois splits a equipe não conseguiu atingir a expectativa dos torcedores.

PAADA

Para o segundo split de 2017, uma surpresa. Após a saída de dois grandes nomes da equipe, Paada junto com os jogadores decidiram que reformular a equipe e explorar talentos internos que estavam sendo mal explorados , seria a melhor opção. Com isso, Paada assumiu a a posição de Head Coach e jUc, na época toplaner reserva, assumiria a posição de Assistant Coach. Claro, muitos torcedores criticaram, muitos analistas e caster duvidaram desse movimento. Mas com muita dedicação e experiência, Paada aprendeu muito sobre o jogo e evoluiu muito durante a etapa e é um dos responsáveis por levar a paiN à grande final do CBLOL.

A paiN começou o segundo split de 2017 com mudanças bem polêmicas, muitos até desacreditaram dessa equipe. É claro que você confiou que essa mudança traria bons resultados, ou do contrário teria buscado outras soluções. Com a classificação para a final, já começa a bater o sentimento de dever cumprido?
R.: De forma alguma, nosso objetivo é ir pro mundial e representar bem o Brasil, estamos longe da sensação de dever cumprido.

Você entrou como Head Coach da paiN, não tinha muito conhecimento sobre o League of Legends, mas é ótimo drafter no Dota 2. Os próprios jogadores falam que hoje, você consegue insights que eles, com 5 anos de jogo, não teriam. Como funciona esse laboratório de pesquisa? Você aplica muitos conceitos do Dota, no League of Legends?
R.: No Dota era commum disputarmos campeonatos em servidores americano e europeu por tanto, para bater de frente com os melhores times do mundo, precisávamos ter uma vantagem estratégica. Acredito que esse seja o maior motivo de eu sempre gostar de testar e criar novas coisas dentro de jogo. o Juc tambem veio do Dota então a gente se entende muito bem nessas horas.

Nós sabemos que você é uma pessoa muito dedicada em tudo que faz, por isso, aprendeu muito do jogo em pouco tempo. Com as críticas recebidas você sentiu uma motivação a mais para se dedicar e engolir o jogo?
R.: Eu sabia que críticas seriam inevitáveis e já entrei sabendo que qualquer resultado ruim a culpa seria minha. O importante foi que os jogadores confiaram em mim e isso facilitou muito nosso trabalho.

Como funciona essa dinâmica com o jUc para decisões de draft, estratégias in-game e o estudo do jogo? Existe uma divisão de tarefas ou é um processo 360º entre vocês?
R.: O Juc é extremamente dedicado e muito inteligente, nossa sinergia está incrivel! Fazemos simulações de drafts todos os dias, fazemos revisões e debatemos sobre os drafts também. Geralmente eu monto o “plano” de draft baseado em meta-game, time que iremos enfrentar e perfil dos nossos jogadores e o Juc trabalha as simulações e cenários baseadas no plano e padrões do time que iremos enfrentar. Montamos tudo e apresentamos aos players, em cima dessas simulaçoes sabemos quais champions precisamos treinar e dar mais atenção e também colocamos em prática alguns senarios para saber se são viáveis. É um trabalho que envolve muito detalhe e é extremamente importante que tanto eu quanto o Juc estejam atualizados em tudo que acontece nas outras regiões. Não podemos também esquecer do macro play, hoje é de maior responsábilidade do RNG e do Loop. O Loop também é o Shot Caller in game.

Depois da semifinal, a expectativa por parte dos torcedores da paiN está bem grande, muito graças a atuação da equipe nesta série. O que você pode adiantar da performance da paiN nessa final?
R.: Acreditamos que estamos prontos para a final, estamos bastante confiantes. A team One é um time muito ousado e imprevisível e temos que ser muito cautelosos. Que venca o melhor!

Como um bom coach, a final não é o bastante, ele quer e saber que pode conquistar muito mais!